Pedro Álvares Cabral só descobriu o Brasil porque estava à procura de PIMENTAS – Você sabia?

pimenta-do-reino

 

O ano era 1498 e naquela época, o comercio era dominado pelos Árabes, no Oriente, e pelos venezianos e genoveses, no Mediterrâneo. Essa hegemonia despertou a cobiça dos portugueses. Foi quando Vasco da Gama ultrapassou a costa oriental africana e chegou ao verdadeiro país da Pimenta do Reino: em Calicute ele embarcou os primeiros sacos de pimenta, carregados diretamente da Índia para os navios europeus. A esta viagem, seguiu-se Pedro Alvares Cabral, que, depois de ter estado em Calicute, dirigiu-se a Cochim, a maior fonte de Pimenta do Reino da Índia, e, na volta como todos sabem se perdeu e veio acabar no Brasil.

Essas pequenas sementes tiveram um efeito transformador. A Pimenta do Reino era tão importante para o povo Europeu que várias expedições Maritimas foram organizadas com intuito de descobrir novas rotas comerciais, que permitissem adquirir o produto a preços mais acessíveis.

As especiarias que tanto mobilizavam os esforços de comerciantes e traficantes eram o Gengibre, o Açafrão, a Canela, o Cominho, a Noz-Moscada, o Cravo, o Cardamomo e no TOPO da lista a Pimenta do Reino: ela valia tanto quanto o OURO e chegou a ser usada como dinheiro. Tamanha importância pode ser creditada ao fato de que ela,assim como o sal, era utilizada na conservação de inúmeros alimentos – além de ter a propriedade de disfarçar o horrível cheiro das carnes, que entravam em rápido processo de puterfação numa época que não existiam geladeiras nem quaisquer outros métodos de refrigeração.

No Brasil, o nome Pimenta do Reino foi adotado durante o período colonial,como forma de distinguir a pimenta que vinha de Portugal ( o “Reino”). Mas vale lembrar que não é apenas a pimenta do reino que faz parte da Especie das Piperaceas, como é botanicamente denominado este grupo, mas também:

  • Cubela
  • Pimenta de Folha
  • Pimenta do Reino Branca
  • Pimenta do Reino Verde
  • Pimenta do Reino Rosa
  • Pimenta do Reino Preta

Marcos Tambelini

 

COMPARTILHE

Deixe sua resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*